domingo, 17 de abril de 2011

PORTUGUÊS - 1º BIMESTRE - AULAS 3º: A. B, C e D.

TESTANDO SEUS CONHECIMENTOS DE PORTUGUÊS - NORMA CULTA (1ª e 2ª aulas)

Corrija todas as frases abaixo. Reescreva-as após localizar o erro. Discuta o porquê do erro com o professor, justificando com uma regra estabelecida pela norma culta. 
01.Tem muitos manifestantes na praça.
02.Devemos estarmos atentos.
03Entreguei a causa a meu adevogado.
04.Acabei de receber uma telefonema.
05.É um problema difícil de se resolver.
06.Não devem haver dúvidas entre nós.
07.Não estudei por que não quis.
08.Vá si quiser.
09.Este trabalho está melhor feito que o outro.
10. O mestre mandou eu guardar o silêncio.
11. Este quadro foi copiado sobre o modelo.
12. Esta é a casa que eu mandei construí-la.
13. Esta é a canção que eu gosto mais.
14. Desejo falar consigo.
15  Abraça-lhe o amigo certo.
16. Vende-se apartamentos.
17.Hajam vista os precedentes.
18. Acabem-se com as exceções.
19. Aconteceram chegar todos atrasados.
20. Ela ama muito viajar.
21.Precavenham-se contra os larápios.
22. O trem desencarrilhou no quilômetro 20.
23. Cansou-se de bater na porta.
24. Cadê o livro que recebeste?
25. Nenhum deles atreveu-se a falar.










3ªAULA:  PARA ESCREVER BEM

Eis algumas dicas de uso constantes que devemos evitar ao escrever um texto:
(Explicação em sala, com exemplos práticos)
1.       As redundâncias

2.       Os neologismos

3.       Os estrangeirismos

4.       Os latinismos

5.Os modismos

       6.Os galicismos

Leia com atenção o texto. Identifique tudo o que se explicou antes. Resolvas as questões propostas pelo professor.
            Reescrever o texto “Felícia”,retire dele todos os vícios possíveis (os item de 1 a ¨6, se houver). Ao reproduzi-lo tente ser coeso e coerente com a narrativa.












LER, INTERPRETAR, CORRIGIR, REFAZER E PRODUZIR SERÁ NOSSO ESTUDO (4ª aula)
“O segredo do bom texto consiste em dizer de modo fácil coisas profundas, significativas e reveladoras e não em dizer coisas simples e óbvias de modo complicado” (Edméia Neiva)
“A simplicidade da linguagem não é incompatível com a riqueza de conteúdo”
(Carlos Leite Vieira)
O português, como todas as línguas é uma língua viva, que vai se modificando, reaparecendo ou desaparecendo outras palavras. No entanto, é preciso ter cuidado e evitar as redundâncias, os neologismos, os estrangeirismos, latinismo ou modismos.

FELÍCIA
A Felícia tinha sorte para o namoro. O elo de ligação entre amigos era também seu forte. Além da amizade, encarava de frente todos os que com ela se relacionavam, na escola, na rua, no baile ou em qualquer festa. Colecionava um panorama geral para ter um novo modelo de namorado a cada dia, se possível. E triste daquele que se metesse com ela, enfrentava de frente.
O eixo central, isto é, o eixo básico de sua pomposa atitude, o de atrair tanto namorado assim, - era ser rica - e a sociedade como um todo sabia disso; não dava marmanjo sobrando que não a quisesse prioridade absoluta tê-la como amante que fosse. Sabiam todos que tinham um futuro para frente, e hajam moços fazerem planos para o futuro: superar radicalmente as vontades, e, quando jovem, aí não tem para ninguém, superar é o desfecho final: casar-se, se até fosse o caso.
Mas a moça tinha algumas intenções embrionárias: cooperação conjunta entre namorados nem ver. Cada qual podia ser seu namorado, no entanto, nunca eles se deviam encontrar. Assim, planejava antecipadamente o encontro, há uns dias atrás. Sempre que via um, recebia-o com sorrisos nos lábios, sintomas indicativos de que nada pudesse ser desconfiado pelo outro. Até inventava ou desconversava quando alguém a perguntava por  aquele que tinha viajado a países do mundo, posto que sempre era motivo de desculpa. Não estava mais com ela. Ela, com a cara mais deslambida como era, dizia afrontosamente: vou estar enviando noticias minhas...
Assim, em matéria de fidelizar, Felícia era uma expert. Seu hobby ou sua bom vivant, a priori, nunca foi otimizar seus staffs de namorados, mas compatibilizar-se com eles.
Leia com atenção o texto. Identifique tudo o que se explicou antes. Resolvas as questões propostas pelo professor.






    Antes de começar escrever qualquer palavra, frase ou texto, leia as dicas, pratique o que aprendeu com o professor e atente à leitura dos textos e exercícios.

1.   Escreva tudo o que vier na sua imaginação;
2.   Releia o texto que escreveu, modifique o necessário e reescreva-o;
3.   Lembre-se de que ninguém está obrigado a ler rascunho, passe-o a limpo;
4.   Seja original, não transcreva frases prontas, gírias ou bordões;
5.   Não escreva letras muito pequenas ou muito grandes, não invente letras ( bolinha no “i” ou sem pingo no “j” );
6.   Escreva letra legível;
7.   Faça margens regulares e parágrafos;
8.   Procure usar pontuação adequada ( vírgula, ponto-e-vírgula, dois-pontos, travessão, ponto );
9.   Verifique a ortografia;
10.        Corte ou substitua as palavras repetidas;
11.        Use frases curtas e completas;
12.        Verifique se há adequação à proposta solicitada, se você não fugiu do tema.
13.        Não sublinhar o título;
14.        Não assinar a redação como autor.

 OUTRAS RECOMENDAÇÕES:
1.   Imagine que todo mundo alfabetizado sabe escrever.
2.   Escolha palavras que relacionam ao assunto proposto.
3.    Não copie os outros. O plágio serve apenas de humor. Crie.
4.   Pergunte ao seu professor como pode melhorar seu texto.
5.   Não desista se escreveu mal pela 1ª vez. Bons escritores refazem seu texto.
6.   Você pode ser chamado ao um bom emprego.
7.   Ser hábil na escrita é ser um diferencial.   
8.    O pequeno escritor é também um artista.







PONTUAÇÃO
1.Vírgula
2. Ponto-e-vírgula
3. dois-pontos
4.Ponto
5.Travenção
1. A planta secou pois não foi regada
2.Traga o jornal, pois eu quero ler
3. Uma vida de consolo; outra, de amargura
4.Só sei uma coisa: é que nada sei.
5.Levaram a vida como o destino pudesse resolver.
6. Sentiam felizes – e era sempre assim – em fazer maldades.
















A CONJUNÇÃO E O ESTUDO DAS ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS
CONCEITOS
Não há como separar o estudo das conjunções, sem colocá-las dentro dos períodos coordenados e subordinados. O período coordenado é aquele que recebe uma conjunção para ligar suas orações, as quais sempre indicadas por verbos. São chamados coordenados porque são independentes entre si. Já o período subordinado é aquele ligado por uma das conjunções subordinativas. A oração subordinada depende da principal e vice-versa, para que haja entendimento na frase. Exemplos:
       e        volte logo                      Não fui      porque      não quis.
 


A conjunção é a palavra que estabelece relação entre duas orações ou entre dois termos que exercem a mesma função sintática. (Faraco e Moura, L & L, pág. 369).
Então, a conjunção liga oração ou termos. Quando liga oração aparece sempre, pelo menos, dois verbos (os exemplos acima). Se ligar termos, as palavras são da mesma classe gramatical.
João       e      Maria são felizes.    Comprei casa    mas também   carro este ano.
        

LOCUÇÃO CONJUTIVA
As conjunções formadas por mais de uma palavra são chamadas de locução conjuntiva, porém têm o mesmo valor de uma só palavra. São exemplos: mas também, desde que, uma vez que, em que pese a, à proporção que, à medida que, que nem etc.
CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES
As conjunções podem ser coordenativas e subordinativas.
As conjunções coordenativas ligam orações independentes ou termos.
Fui        e         vim     mas também    venci
                                                                                                                                                                                                  
 
[Podem ser entendido assim: Fui (eu fui – e pronto); Vim (eu vim – e pronto); mas também = e; venci (eu venci – e pronto). É por isto, que os termos são independentes].




EXERCÍCIOS SOBRE CONJUNÇÃO E ORAÇÕES COORDENADAS SUBORDINADAS (II)
Relacione as frases, de modo que a frase da primeira coluna tenha, pelos menos, o mesmo sentido de uma das frases na segunda coluna. Observe cada conjunção em cada frase:
(1)Voltou e brincou com os alunos                               (   ) Uma vez que mude estará no grupo.      
(2)Pediu, mas ninguém atendeu                                   (   )Declaro isto uma vez que é obrigado.
(3)Trabalhou muito; estava, pois, esgotado             (   )Porque o filho fosse feliz, mudou-se.
(5)As frutas cresceram porque o clima ajudou         (   ) Não perturbe, porque ele é bruto.
(6)Se andarmos depressa, chegamos a tempo         (   )Era alto como um poste
(7)Embora fizesse esforço, não foi aprovado            (   )Como estava mal, não foi ao passeio
(8)Ele se preocupa tanto quanto o médico                (   )Tanto ria como chorava.
(9)Fiz o trabalho, como o chefe mandou                    (   )Apesar do aviso, pisou a grama.
(10)O problema social é mais sério que se pensa     (   )Dá aulas, mas também escreve.
(11)Fez sinal para que se calasse                                    (   )Leu o livro, e não entendeu nada.
(12)Será chamado quando for convocado                  (   )Traga o jornal, pois eu quero ler.
(13)Fez que ia à casa da namorada                              (   )A fonte secou pois foi agredida.
As orações contidas neste texto são:
A.Coordenadas: aditiva, adversativa, conclusiva e explicativa
B.Subordinadas: causal, concessiva, condicional, conformativa, comparativa, consecutiva, final, temporal e integrante.
Observe que:
1.Apesar de = em que pese a    7. E = mas
2.Mas também = como         8.Que = mas
3. Desde que = se        9.Porquanto = pois
4.Como = que nem    10.Para que = porque
5.Uma vez que = porque  11.Quanto = e
6.Sem que = embora   12.Quanto = como

 (   ) Era rico que nem um milionário
(   )Diga-me se está na hora.
 (   )Desde que diga isto, haverá acerto.
 (  )Conheço você desde que era menina.
(   )Não terá acordo sem que haja equilíbrio.
(   )Sem que fizesse esforço, foi aprovado.
(   )Brigou, porquanto o rosto está ferido.
(   )Eles tanto criticam quanto incentivam.
(   )Tal coisa diga a outro, que não a ele.
(   )Faça as anotações, que estudará melhor.
(   )Nervoso que estava, não assinou a ficha.
(   )Sujo que estivesse, deitaria na poltrona.
(   )É mais trabalhador que o tio.
                                                                                              (   )Agora, que já tomaste a água, sairemos.



CAPÍTULO I (página 10 – 26, livro 3, Poruguês)
Pré-modernismo

  1. Contexto histórico

  1. Novidades


  1. Autores e obras

  1. Leitura

















COLOCAÇÃO PRONOMINAL OU TOPOLOGIA PRONOMINAL
Chama-se colocação pronominal, também chamada de topologia pronominal a maneira de colocar os pronomes átonos (me, te, se, lhe, o, a, nos, vos, lhes, os, as),  numa oração, antes do verbo, no meio do verbo e depois do verbo . Exemplos:
                A)..........................................................      B)......................................................  C)............................................
Assim, dizemos que há:
1.próclise – .........................................................................................................................
2.mesóclise – ......................................................................................................................
3.ênclise – ...........................................................................................................................
PRÓCLISE 
                Usa-se a próclise em expressões de sentido negativo, nas orações com advérbios e pronomes indefinidos, nas orações iniciadas por pronomes e advérbios interrogativos, nas orações exclamativas ou optativas (desejo), nas orações subordinadas, com o gerúndio iniciado por em, nas orações coordenadas alternativas, nas orações iniciadas por pronomes relativos. Exemplos:
..................................................                           ...............................................  ....................................................................
...............................................                               .............................................. ....................................................................
...............................................                               .............................................. ....................................................................
...............................................                               ....................................................................................................................
MESÓCLISE
                Emprega-se a mesóclise com verbo no futuro do presente e no futuro do pretérito, se não houver palavra que exige a próclise. É forma restrita a textos formais, como os de leis e literários, por exemplos.
...............................................                            ......................................................    ..........................................................
ÊNCLISE
                Emprega-se a ênclise com verbos iniciando períodos, com verbos no modo imperativo afirmativo, com verbos no infinitivo impessoal e com verbos no gerúndio (sem a preposição em).
...............................................................                          .......................................................................................               
.................................................................       ........................................................................................
CASOS ESPECIAIS
 Com verbo principal no infinitivo ou no gerúndio (sem palavra que a exija - pronome depois do verbo). Com palavra que exija, o pronome pode ser colocado antes ou depois. Com verbo principal no particípio o pronome não pode vir depois dele. Sem palavra que exija a próclise pode-se usar a ênclise em locução verbal.
..................................................              ..................................................  ..................................  .....................................
.....................................................................................                .................................................................................................
....................................................................................                ...................................................................................................
AULA 10 . CAPÍTULO 1, p. 10 a 26)


Escrever um texto, a partir das perguntas


Redação: discorra sobre o Pré-modernismo, indicando o contexto histórico, social e político, as novidades e obras, e destacando, em poucas palavras, a que tema refere-se as obras principais (até 25 linhas).


Primeiro parágrafo como sugestão do professor:

Sabe-se que o Pré-modernismo foi um preparo para o movimento do Modernismo, o qual não tinha como estilo de época. Quanto ao contexto histórico, o Brasil do século XIX, vivia uma República do Café com Leite; apontava-se para um mundo em direção à tecnologia.



























LEIA O TEXTO ABAIXO


            Oito horas da manhã. Um veículo cruza, em alta velocidade, a Avenida Rebouças(SP), transportando o malote que seria embarcado para a filial, no voo que partiria quinze minutos depois, do aeroporto de Guarulhos. Seus ocupantes também estavam de posse um cheque que pretendiam descontar antes de apresentar-se no guichê da companhia aérea, pois havia algumas despesas a pagar(...)


REFAÇA O TEXTO




Parágrafo como sugestão do professor:

Oito horas da manhã. Um veículo cruza, em baixa velocidade, a Avenida Rebouças(SP), transportando um malote que seria embarcado para uma filial. Só que o malote teria que ser levado num voo de Guarulho. Sabia-se que não havia tempo, pois o avião partiria em quinze minutos. Além da encomenda, os transportadores tinham um cheque a ser descontado para pagar despesas diversas, caso em que, ainda mais, dificultou tais diligências.








A CONJUNÇÃO E O ESTUDO DAS ORAÇÕES COORDENADAS

As conjunções coordenativas são classificadas conforme o contexto em que elas são empregadas. Podem ser:

1)Aditivas – são aquelas que indicam relação de soma, adição: ....., ........... (= e não), (não só)......................,
·         Choveu........estiou repentinamente.
·         ..............o trabalho, ............................. o lazer.
·         Não lhe dou atenção ............... ele merece.

2)Adversativas – são aquelas que indicam relação de oposição, situação contrária, diferente do que se espera na 1ª oração: ........, .........., .............., .................., ....................... , .........................,
·         Hoje, ainda luto contra a miséria, ............ meu dia começa com o Pão-Nosso. Tenho fome de humanidade. (Betinho)
·         Muitos, até discursam contra a corrupção, ........................ a prática é outra.
·         Queria ser sempre beneficiado, .................... não retribuía isto aos outros.

3)Alternativas – são aquelas que indicam relação de alternância, que permite escolha: ......., .................., .................., ............................., ..............................,
·         ..............chove ............ faz sol.
·         João canta ............ chora.
·         ............. calço a luva ........... ponho o anel. (Cecília Meireles)

4)Conclusivas – são aquelas que indicam relação de conclusão, dedução: ..........., ............., ........................, ......................., ............. (após ao verbo), ...............,
·         O espetáculo impressionou a todos, ............... os aplausos eram inevitáveis.
·         Não publicaram o concurso, a fraude era, ................., muito visível.
·         Estudo muito, ............................ obteve a nota máxima.

5)Explicativas – são aquelas que indicam relação de justificativa, explicação:............... (antes de verbo), ....................., .................., ..................................
·         O restaurante é especial, ............... oferece comida exótica.
·         Vamos comer .......................... estou com muita fome.
·         Estudemos esta noite aqui, ..................... pretendo resolver às questões pendentes.





PROCEDIMENTOS INTRODUTÓRIOS DA DISSERTAÇÃO
O parágrafo introdutório (tese) apresenta o assunto. Há muitos procedimentos para se elaborá-lo: partindo do geral para o particular, do passado para o presente, usando comparações, conceitos, definições, interrogações etc.
Interpretando o que se refere cada parágrafo, relacione a segunda coluna de acordo com a 1ª, para o TEMA TRABALHO.
A. Comparação                                       E. Interrogação (precedida ou não de afirmação)
B.Conceito ou definição                       F.Narração (apenas para introduzir o assunto)
 C.Citação H. Linguagem figurada      G.Trajetória do passado ao presente
D. Informação ou constatação           H. Ilustração

(   )O trabalho, talvez a maior invenção de todos os tempos, remonta às eras mais antigas. Da pedra lascada ao bronze, ou da máquina a vapor à robótica, a atividade persiste em evoluir e se adaptar às necessidades de cada época. Foi essencial, por exemplo, em Roma, com a escravidão, e, inegavelmente, continua sendo, mesmo com o baixo salário da maioria.
(   )Um prédio é fruto de trabalho de vários profissionais, desde os engenheiros e arquitetos que o projetam aos pedreiros e mestres-de-obras que o executaram. Da mesma forma, uma obra de arte, como a escultura de “David” de Michelangelo, é produto de trabalho do artista que a concebeu. Desse modo, o trabalho possui várias facetas, podendo ser classificado como intelectual, braçal, artístico ou produtivo.
(   )Em primeiro lugar, é preciso definir o que se entende por trabalho. Se pensarmos no trabalho como um sistema organizado, controlado e dividido que existe hoje, ele é claramente uma construção histórica. Porém, se considerarmos que trabalho é todo e qualquer esforço, seja físico ou psicológico, que visa à produção de um bem, uma riqueza, então ele remete aos primórdios da humanidade.
(   )Aristóteles referia-se a tudo o que na vida humana escapava aos limites da Natureza como sendo uma segunda natureza. O trabalho, atividade que necessariamente desvencilha o homem das determinações naturais, não constitui, de fato uma “essência atemporal” do homem. Todavia, estando o homem no mundo, o trabalho passa a acompanhá-lo indefinidamente e a caracterizar, juntamente com a linguagem, a humanidade.
(   )No mundo contemporâneo as mudanças se aceleraram devido à mecanização e robotização do processo produtivo. Os estados ao redor do mundo debatem-se tentando encontrar uma solução para o impasse: como conciliar a necessidade de oferecer emprego à população e o desejo de aumentar a produtividade através da maquinização?
(   )A despeito das explorações impostas pelas elites dominantes durante milhares de anos, a estrutura laboriosa ainda não é justa. Os que trabalham pouco são donos dos meios de produção; os que se esforçam demais têm renda irrisória, e há, também, os desempregados. O que não ocorre, de forma alguma, é a distribuição dos empregos e salários.
 (   )Recentemente, fiscais do Ministério do Trabalho libertaram 61 trabalhadores da usina de cana Laginha, em União dos Palmares (AL). Além do expediente exaustivo, os trabalhadores não recebiam hora extra e viviam em alojamentos improvisados, submetidos a condições totalmente insalubres. Um dos procuradores do Trabalho solicitou a interdição imediata da usina. Essa medida é louvável, mas está longe de resolver um problema que atinge várias regiões do país.
(   )Todas as relações humanas estão fundamentadas no ato de trabalhar. As diversas áreas de estudo e atuação são como os pedaços de vidro de um mosaico, tão bem interconectados que geram ordem e equilíbrio na formação de uma figura. Por isso o trabalho é fundamental, ele sempre garantiu que todos os vidros estivessem juntos, formando este mosaico que é a sociedade.


A CONJUNÇÃO E O ESTUDO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS (I)

As conjunções subordinativas ligam orações dependentes. Subordinam, dependem uma da outra. São classificadas assim:

1)Integrantes – são aquelas que introduzem as orações subordinadas substantivas(que têm valor de um substantivo): ..................., ................
·         Espero      que    você venha a minha casa. (A subordinada pode ser substituída)

     Espero                     a sua vinda a minha casa.
 

·         Quero saber      se          todos estudaram. (A subordinada pode ser substituída)


Quero saber               o estudo de todos.
   

2)Causais – são aquelas que introduzem as orações subordinadas e indicam relação de causa, razão, motivo:.................., .................., ......................., ............., ....................., ......... (= porque), ..............., .........................., ..................., ............, ............, .........................,
·         Tente combater a corrupção, ....................... ela é um mal da sociedade.
·         ................. Maria suportava a dor, ninguém a via chorando.
·         Feliz .............. estava não quis saber de má notícia.

3)Concessivas – são aquelas que introduzem as orações subordinadas e indicam relação de concessão, isto é, ideia contraria à da oração principal: ................., ......................, ......................., ....................., ....................., ................... ......................., ........................., ...................................., .........................., ......................., ........................., ..........................., ................, 
·         ................................ tento combater uma opinião vil, encontro outro a defendendo.
·         ..........................o matasse, confessava.
·         Feliz .............. estivesse, as lágrimas desceria.
·         Fique quieto, .................. seja por um momento.
·         Leia isto, ........................  não entenda nada.

Observação: As concessivas merecem especial cuidado, pois são cobradas em muitos concursos, quer das formas acima explicadas, quer dentro de um texto.



A CONJUNÇÃO E O ESTUDO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS (II)

4)Comparativas – são aquelas que iniciam as orações subordinadas e indicam relação de comparação, de um confronto: ..........., ...............(depois de mais, menos, maior, menor, melhor e pior), ......... (depois de tal),................ (depois de tanto), ................., ....................., .............., ..............., .................,
·         Era sisudo ............ um bruto.
·         A filha agiu tal ............. a mãe pediu.
·         Vestia brega ................ a comunidade.
·         Ela bebeu água .................. fosse morrer de sede.
Às vezes, as subordinadas comparativas não aparecer o verbo, mas fica subentendido na oração principal (1ª e 3ª frases)

5)Condicionais – são aquelas que começam as orações subordinadas e indicam relação de condição, uma hipótese, uma necessidade ou não contida na oração principal: ........., ........., ...................., .............., .................. (=se não), .................., ................., .................., ............................., ...........................,
·         ......................... ele corra, alcançará a prova.
·         .................................. um ganhasse a causa, todos tinham o mesmo direito.
·         Brotará a semente mais rápida, .................... regar a terra

6)Conformativas – são aquelas que iniciam as orações subordinadas e indicam relação de conformidade, de acordo, conforme o pensamento da oração principal: ......................, ...............(=conforme), ....................., .......................,
·         ............. ia dizendo, deve haver justa causa para aplicação do direito.
·         Vivo ................. as posses me dispõem.
·         Levava a vida .................... à criação da natureza.

7)Consecutivas – são aquelas que introduzem as orações subordinadas e indicam relação de consequência do que foi declarado na oração anterior: ......... (combinado com tal, tanto, tão ou tamanho, [presente ou latentes(oculto) na oração anterior], ....................., ..........................., ........................., ............................, ..................,
·         Namorava ............. era uma barbaridade (Namorava tanto que...)
·         Falei tudo, ...................., além disso, é ser prolixo.
·         Deu um brigão tamanho ............... a polícia não foi inviável.








A CONJUNÇÃO E O ESTUDO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS (III)

8)Finais – são aquelas que iniciam as orações subordinadas e indicam relação de finalidade da oração principal: ........................., ......................., ................... (=para que),....................,
·         Agora só bastava boa vontade ................. realizasse o projeto.
·         Após o casamento, fiz votos ............. fossem felizes.
·         Estudei muito ................. tudo desse certo.
·         Fez sinal ....................... parasse.
·         Não basta quer ...................... se vença na vida.

9)Proporcionais – são aquelas que iniciam as orações subordinadas e indicam relação de proporção, isto é, menciona um fato realizado ou para realizar-se ao mesmo tempo que o da oração principal: ............................., .........................., ..........................., ........................, ..............................., ........................................., ....................................., .................................................., .................... .........................., ............................, ............................., .........................., .................................,
·         Distanciava o olhar ............................. observava o infinito a olho nu.
·         .............. mais combatermos os insetos, menos infestação teremos.
·         Andava pela praia ....................... areia avançava à beira do mar.
·         ......................vivemos, a idade avança naturalmente.
·         .................... menos trabalha mais dificuldades enfrentamos.

10)Temporais – são aquelas que iniciam as orações subordinadas indicadoras de circunstância de tempo: .................., .................., ......................., ................., ................., ..................., .............., ............ ........., ..............................., ....................., ................., ............, ............(=desde que), .....................,
·         ................... os pais se distraiam, o menino fugiu.
·         ............ os pais saíram, os jovens iniciaram uma festa em casa.
·         A sala de aula transformava-se ........................... o professor saía.
·         ................ cheguei, você saiu.













EXERCÍCIOS SOBRE CONJUNÇÃO E ORAÇÕES COORDENADAS SUBORDINADAS (I)

            Algumas conjunções, dependendo do contesto, têm mais de uma classificação. Uma mesma conjunção pode ser coordenativa ou subordinativa. Preencha os espaços, nos exemplos abaixo, com a conjunção como ou que, seguindo a classificação:

1)subordinativa causal: .................não tenho dinheiro, não irei à festa.

2)Subordinativa comparativa: ................ já observamos na palestra, o profissional, de hoje, só avança junto à tecnologia.

3)subordinativa comparativa: Era forte .......... um touro.

4)subordinativa comparativa: como ..............comes.

5)coordenativa aditiva: todos riam .............. choravam frente ao humorista.

6)coordenativa aditiva: corre ..............corre.

7) coordenativa explicativa: espere um minuto ........o professor já vem.

            8) subordinativa integrante: É obvio .............. queremos ser felizes.

            9) subordinativa concessiva: Estude todos os dias, uma hora.........seja.

            10) subordinativa final: Adverti-o ........... ficasse parado.

            11) subordinativa causal: Doente ..............estava, não fez a prova final.

            12) subordinativa consecutiva: Divertiu tanto .............. acabou cansando.

            13)Coordenativa adversativa: Fale isto só a mim, .............. não a outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário